Compartilhando coisas boas

Jim, Amanda, Blue Jay

1

Ai, como eu amo filmes independentes. Não contém spoilers.

Blue Jay não é um filme que eu recomendaria a todo mundo. É o tipo de filme do qual tenho ciúme. Descobri essa pérola e não conseguiria desperdiçá-la indicando-a a qualquer pessoa. Tem que ser alguém muito especial. Blue Jay é tipo um anel de família, passado de geração em geração.

É um filme em preto e branco, apesar de ser de setembro de 2016. Temos apenas três personagens: Amanda, Jim e Waynie, o velho do bar. O filme todo se passa em um dia (mais uma manhã)… um dia muito intenso para Amanda e Jim.

Eles foram namorados na adolescência e agora se reencontraram por acaso em sua antiga cidade. Eu gosto de como esses filmes contam uma história sem se preocupar com uma “estética” hollywoodiana (nem sei se isso existe), têm cenas enormes, com diálogos que parecem improvisados, e que remetem à vida real como nenhum outro.

Pude ver em Jim e Amanda qualquer casal de amigos meus, ou até a mim mesma. Vi pessoas que sentem, que se emocionam, que não sabem o que dizer. Vi risadas que nenhum roteirista poderia ter escrito “depois dessa fala, ria”.

Achei incrível como a fotografia de Blue Jay é impessoal. Parece que não há um cameraman. Parece que o casal sempre está sozinho, sem ser observado ou coisa que o valha. É tão dia-a-dia, tão natural. Impossível não se apegar ao filme.

O título carrega a pesada marca dos filmes independentes, que sempre fica clara pra mim de imediato: ele tem forte compromisso com a realidade. É como se contos de fadas não fossem permitidos. Apenas o que realmente poderia acontecer entre duas pessoas que não se veem há anos, que já foram envolvidas emocionalmente e que agora não sabem como agir diante do que passou. Claramente eu, claramente você, claramente qualquer pessoa.

A última cena é tão cheia de significados, eu diria até cheia de respostas. O final é como se terminasse no meio da cena, deixando você pensando qual será o próximo passo a partir dali.

Blue Jay é intimista, sensível e bonito de se ver. Gosto quando consigo enxergar a personalidade das personagens.

Se você gosta deste tipo de cinema, essa é minha indicação. Ps: assista sozinho, pois risco de lágrimas.